Sociólogo diz que Ceará precisa enterrar cultura do “evitar derrota”

O professor Pedro Albuquerque, também sociólogo, manda comentário para  o Blog comentando a  demissão de Leandro Campos das função de técnico do time do Ceará. Para ele, o clube precisa contratar técnico para enterrar a cultura do “evitar derrota” e pensar como vencedor. Confira:

Escrevo na condição de torcedor alvinegro de Porangabussu. O erro maior é o planejamento limitado ao curto prazo. Leandro Campos foi contratado para aplicar retranca e não deixar o Ceará perder no campeonato estadual. O desenho das disputas nesse campeonato permitia essa estratégia. Deu certo, mas os riscos foram enormes. Campeão o Ceará, o técnico continuou. Só que para o campeonato nacional o desenho das disputas é outro. A estratégia agora é de curto-médio prazo, combinado com o longo prazo, o que exige que a tática não seja a de evitar derrotas, mas garantir vitórias, uma vez que a distância que separa os times que ficam no meio da tabela e os que ficam na zona de desclassificação é muito curta. Uma derrota ou seguidos empates podem empurrar o time para a zona da degola.

O Ceará precisa contratar um técnico que cuide da defesa não para evitar derrota, mas que cuide da defesa para permitir que o ataque realiza jogadas de gol. O Ceará precisa enterrar a cultura do “evitar derrota” implantada por PC Gusmão. Ou a cultura do status quo, ou seja, de deixar as coisas como estão, o que significa colocar como objetivo a simples permanência na série B. O time precisa imbuir-se da cultura de vencedor, o que implica boa defesa e bom ataque em razão da vitória. Com isso, não elimino a importância do empate. Há empates que servem à estratégia da vitória e há os que alimentam a estratégia da derrota ou do status quo.

Para isso torna-se necessário, também, contratar jogadores que, no mínimo, estejam no mesmo nível das equipes consideradas potencialmente concorrentes do Ceará no caminho da ascenção para a série A. O Ceará deve ter como referências-competitivas, principalmente, o Palmeiras, e, depois, o Sport do Recife, o Figueirense e o Joinvile. Elas nos apontam o caminho a ser traçado. ABC, América, Asa, Guaratinguetá, Bragantino, Boa Esporte são referências não competitivas. Estas indicam o caminho a não ser seguido. As contratações não podem ser do tipo Alan Pinheiro, jovem atleta do Vitória que para aqui veio para ganhar experiência. Elas devem ter como objetivo resolver os problemas de debilidades detectados. E já!

Quanto ao longo prazo, o Ceará deve cuidar da formação de sua base. Potiguar e Luis Henrique são bons jogadores formados na base, mas que revelam deficiências gritantes de fundamentos. O primeiro, a despeito de seu espírito de equipe e do bom domínio da bola, é lento e sempre chega atrasado nas disputas com jogadores mais velozes e, ao invés de se conter para não cometer faltas desnecessárias, ele se precipita, usa as mãos antes de usar os pés e derruba o adversário em jogadas de alto risco, algumas delas cuasadoras de penalties contra o Ceará. O segundo tem excelentes arrancadas, mas peca na maioria das vezes na última bola, não dá desfecho positivo a essas boas arrancadas e nem tem capacidade de articular jogadas com seus companheiros de equipe. É pouco solidário. Os dois atletas, se lapidados, se treinados em jogadas de fundamento, poderão ser grandes atletas.

Para ascender, portanto, à Série A, o Ceará Sporting deve construir estratégia de curto e médio prazos acima indicadas. E planejar o longo prazo na formação de sua base para, alçado à série A, nesta possa permanecer ao longo de muitos anos e prescindir de contratações precipitadas. Isso se chama introjectar no espírito da equipe a cultura de ganhador. Técnico retranqueiro no campeonato nacional da Série B, nunca mais.

* Pedro Albuquerque,

Sociólogo e torcedor alvinegro.

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

2 comentários sobre “Sociólogo diz que Ceará precisa enterrar cultura do “evitar derrota”

  1. Mais do que sociologia, psicologia, o ceará precisa ir além do que é necessário, que é contratar, jogadores de nível e não trazer apostas, porque é que o sport recife pode tirar um Durval do santos e o ceará não pode contratar pelo menos um jogador ou dois pra realmente qualificar o grupo. se fala em qualificar, na hora trazem aposta refugo de outras equipes.

  2. Excelente a explanação do sociólogo Pedro Albuquerque, o Ceará Sporting Clube precisa ter atitude de vencedor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × quatro =