Venda de smartphones cresce no Brasil

“O consumidor brasileiro não só colocou o País na onda internacional de consumo de smartphones como também o fez se destacar em percentual de crescimento nas vendas deste produto. Enquanto no mundo a variação entre 2010 e 2011 ficou em 69%, no Brasil foi de 80%. É o que aponta a pesquisa realizada entre janeiro e agosto de 2011 pela GfK Retail and Technology, 4ª maior empresa da área de pesquisa de mercado do mundo e líder em estudos no ponto de venda para os segmentos de tecnologia e eletroeletrônicos.

A auditoria realizada em aproximadamente 11 mil pontos de varejo, contemplou 52 categorias de produtos, que totalizaram até agosto de 2011, no Brasil, um faturamento de R$ 50,5 bi, representando um acréscimo de quase 10% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo a Gerente de Negócios – Varejo da GfK RT, Simone Aguiar, o maior crescimento na aquisição desses produtos foi verificado na região Nordeste (20,9%). A menor evolução ficou com o Estado de São Paulo (4,4%), seguido da Grande SP (5,0%) e da região Sul (5,1%).

A área de Telecom respondeu pela maior contribuição percentual para o crescimento do faturamento de Eletrônicos (24,9%), seguida por Ar Condicionado (16,2%), Eletroportáteis (15,6%), Foto (10,4%), Linha Marrom (10,4%), Informática (8,2%) e Linha Branca (6,6%).

O canal que apresentou a maior alta no desempenho (21,9%) foi o Generalista, sustentado principalmente pela venda de produtos de Telecom (contribuição de 7,7 pontos percentuais). Já os Especialistas melhoraram o desempenho em 7,5%, com crescimento significativo gerado pelos produtos de Linha Branca (que contribuíram com 2,2 pp no crescimento do canal).

As Categorias de Produto que mais evoluíram nas vendas foram: televisores de tela fina (18,5%), notebooks (13,1%) e smartphones/celulares (12,8%).

Os smartphones/celulares vendidos a um preço médio de R$ 325 possibilitaram um faturamento de R$ 11,4 bi até agosto, significando a maior parcela no faturamento total de Eletro (23%). Os televisores de tela fina vendidos em média a R$ 1.684 renderam R$ 8,8 bi e chamaram a atenção na comparação com outros países: no exterior o crescimento nas vendas do produto é de 22% contra 30% no Brasil.

Loja física X Internet

De acordo com o estudo da GfK RT, o perfil mais hightech do consumidor brasileiro faz com que ele procure diferentes canais de compras, dentre eles a Internet.

“A web oferece uma grande vantagem, que é o anonimato, especialmente para a classe C, que pode sentir constrangimento ao entrar em uma loja sofisticada. Além disso, para as classes A e B, que têm proximidade maior com a web, nas diversas categorias de produto, um diferencial do canal Internet é a possibilidade de um maior parcelamento. De um modo geral, existe sim uma grande expectativa de expansão das vendas pelo sistema e-commerce”, analisa Simone.

Por outro lado, argumenta a Gerente de Negócios da GfK RT, a experimentação dos produtos mais elaborados tecnologicamente demanda tocar o aparelho e até mesmo tirar dúvidas sobre seu funcionamento com alguém que entenda sobre o assunto: “Por esse motivo, espera-se que continue a frequência do consumidor em lojas físicas. Elas não estão ameaçadas pela tendência de ampliação do e-commerce”.

Sobre a GfK

Criado há mais de 70 anos na Alemanha, o Grupo GfK é o 4º maior na área de pesquisa de mercado do mundo. Com 115 subsidiárias, está presente em mais de 100 países nos cinco continentes, gerando mais de 10 mil empregos diretos. No Brasil é a 4ª maior empresa de pesquisa, cobrindo os setores de pesquisas Ad Hoc, por meio da GfK Custom Research, e painel varejista de bens duráveis, por meio da GfK Retail and Technology.

Com mais de sete anos de atuação no Brasil, a GfK Retail and Technology audita 60 categorias de produtos em 8.500 pontos de venda, o que a permite revelar fotografias contínuas do mercado, já que a empresa desenvolve estudos regulares de um grupo constante de estabelecimentos que disponibiliza informações de mercado.

O processo de dados da GfK RT adapta-se às necessidades de informação de diversas empresas de bens duráveis. Pode, por exemplo, oferecer estatísticas que mostram comportamentos do mercado brasileiro, o desempenho de produtos-chaves, marcas, modelos, lançamentos e seu preço médio. Os estudos podem ser locais, nacionais e globais, sendo que os últimos contam com amostra de mais de 190 mil lojas.

Assim, o painel varejista de bens duráveis da GfK RT fornece informações que apoiam o processo de decisão estratégica de seus clientes, bem como questões relacionadas à performance de uma categoria, marca ou produto ao longo do tempo, o posicionamento de um canal de venda em relação aos concorrentes, distribuição numérica e ponderada de cada marca nas lojas, taxa de crescimento de diversos tipos de produtos, posicionamento de preço, desempenho dos lançamentos etc.”

(JC Online)

Eliomar de Lima

Sobre Eliomar de Lima

Jornalista, radialista, professor e escritor de histórias infantis, mas, acima de tudo, um viciado em informação, não dispensa cantarolar de vez em quando. Pra não dizer que fugimos do mundo da intelectualidade, temos Especialização em Gestão da Comunicação. Email:eliomarmar@uol.com.br / eliomardelima@gmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =